13 de janeiro de 2008

coisas minhas de que me orgulho

Um dia tinha cinco anos e decidi que ia aprender sozinha a andar de bicicleta sem rodinhas. Bastou uma manhã, a minha mãe dentro de casa e dois ou três tombos pequeninos.

Um dia entrei para o 10º ano e falava-se de praxes humilhantes. Fui sozinha para o liceu no primeiro dia de aulas.

Um dia decidi licenciar-me em Pintura. Bastaram-me cinco anos para sair de lá. Ainda não sei em quantos anos aprenderei a pintar.

.........................................

Desta não me orgulho mas rio sempre: um dia (tinha uns 13/14 anos) deram-me uma bofetada na cara - a única que levei na vida. Subiu-me uma lava vinda das profundezas do meu ser doce e meigo que saltou palma fora e assentou na cara daquela tonta que se atreveu a tocar-me na auto-estima.

5 comentários:

rita martins disse...

Adoro estas partilhas! É tão bom ir-te conhecendo, devagarinho. :)

Beijinhos, querida.

Sofia disse...

olha tanta coisa q temos em comum: no 10º ano decidi virar costas a td e a todos e fui para um liceu onde n conhecia ninguém, estava a precisar começar de novo, soube bem e ainda hj acho q foi a melhor coisa q fiz na vida... a seguir foram só coisas boas :)
Tb sou assim, às vezes acagaço-me, mas dp dá-me uma fúria, viro-me de frente para os problemas, ponho a mãozita na anca e digo-lhes: "Anda cá a ver sézómem!!" :D
bjs

Analog Girl disse...

ahahahahahaha!!

Devias orgulhar-te desse acontecimento, sim, numa idade tão característica, é de louvar o teu gesto tão protector de ti-mesma!
:)

Muito boa gente trataria de se encolher num canto e chorar. Gosto de isso de enfrentares a vida de frente!

Edien disse...

:)

Oficinas RANHA disse...

Aos 13-14 eu era a primeira a dar a bofetada quando me feriam o orgulho. Achava na altura que valia a pena defender com o corpo as feridas da alma.
Ana Cristina