22 de janeiro de 2008

sinapse

Ontem acordei muito constipada e com dores de garganta. Caí na enorme asneira de voltar para a cama, que para mim resulta em apenas uma coisa: culpa. Culpa por não fazer nada, por sentir sono e desânimo, culpa por não terminar desenhos que tenho para fazer, culpa, culpa, culpa (sou tonta, eu sei) que me fez acordar sobressaltada vezes seguidas até que finalmente saltei da cama pronta para enfiar água salgada nariz abaixo. Fiquei de pé mas constipada e desanimada na mesma. Culpa. Quando se trabalha em casa e não se tem um horário de trabalho rígido, o risco de estupidificar é grande. E ontem estupidifiquei. O cérebro simplesmente pára, é fascinante.
Hoje, após sterimar, reiki, aulin e visualização de ar puro a limpar-me as entranhas, lá fui pintar uma parede. Às vezes imagino-me a tirar outro curso (ó pra ela cheia de tempo livre). Qualquer um relacionado com o cérebro e o comportamento humano. Bastou-me sair de casa. Bastou-me a música no carro, o sol, o mar além da estrada, os cheiros. E pronto. As rodas dentadas que movem a minha mente desencravaram. E a fila indiana de ideias recompôs-se.

Agradeço sem parar por ter clientes adoráveis. Que me recebem com imensa simpatia, que me confiam chaves de casa, que me oferecem o conteúdo do frigorífico. Por isso me sinto sempre culpada quando lhes encharco os lavatórios de tinta. Lavo tudo lavadinho e venho embora a flutuar.

No regresso a casa desafiei-me a entrar no labirinto vianense chamado Areosa. Após três minutos procurava não só o caminho de volta a casa, como o meu sentido de orientação. Há coisas que não mudam.

4 comentários:

ana montalvão disse...

Gosto da sequência: "sterimar, reiki, aulin e visualização de ar puro...".

Os senhores do Ano Europeu da Diversidade tinham muito a aprender contigo!...

Muitos beijos, linda, e as melhoras!

Elsa disse...

Constipada, mas com muito bom ar :)

sónia disse...

As melhoras, também me perco na Areosa....e estudei em Monserrate!..
:)

on satage disse...

Uma determinada altura vi uma reportagem sobre a pintora Paula Rêgo! Também ela trabalha em casa... E ela dizia que impôs-se um horário de trabalho a si mesma, porque no fundo aquela era a profissão dela... ela só tem é o privilégio de viver daquilo que gosta de fazer... mas não deixa de ser o seu ganha pão e que segundo ela "merece o seu respeito e responsabilidade"!
É obvio que ela tem um horário mais folgado, não tem que trazer justificações se um dia precisar de ir a um médico e tal, mas ela estabeleceu mesmo um horário de trabalho...
Bom trabalho para ti também! Boas pinturas!