11 de novembro de 2007

outono


Eu queria morrer como uma folha no Outono. Encher-me de luz e cores e no fim, voar.
Pus-me a pensar que se esperasse pela queda duma folha e a agarrasse antes de ela cair ao chão, eu seria a primeira coisa a tocá-la. Então corri para agarrar esta:

... e gritei e ri-me como uma criança doida.

9 comentários:

Tulaunia disse...

Nat, as fotografias estão lindissimas! :)*

sapatinhos de verniz disse...

Nunca deixes de ser como és Natacha, e orgulha-te muito de ti e de viveres a tua vida com toda essa poesia!
Um abraço!

Marta Mourão disse...

Mas nós somos como as folhas das árvores! Nascemos brilhantes e cheias de vida, e enrugamos e murchamos no fim. As folhas têm, no entanto, um fim mais glorioso.

pfogg disse...

Extremamente poética, essa ideia de agarrar a folha ainda no ar... Gostei muito, muito.

pf

Li*Azevedo disse...

=) que doçura!!

macati disse...

:D

nothing disse...

:)

Já tinha saudades de passar cá!
Guardas-te a folha contigo? :)

Beijinhos, boa semana e bom Outono!

m.r.p disse...

Lindas fotos! Lindas cores!
Beijinhos

LU disse...

Tudo muito lindo! Como é BOM sentir o presente, o que está acontecendo agora, à nossa volta!
No dia em que fomos (L+G+euzim) a Santa Luzia fazer composição com as folhas de outono (as 1ªs fotos de outono), eu pedi para eles pararem e observarem as folhas (das enormes Tílias)caindo.Fico arrepiada até agora, só de lembrar. É uma sinfonia autêntica!
A tua sensibilidade me emociona.