24 de maio de 2008

a minha memória

A minha memória vive de cheiros e de sabores.
Quando eu era pequenina ia para a natação com a escola. Detestava o monitor e lembro-me de chorar muito muito muito antes de ir. Ele era bruto e uma vez atirou-me muita água para a cara, de propósito. Levei aquilo muito a mal.
Enquanto lá andei à força, não consegui aprender nada, a não ser que sou mesmo euzinha desde pequena: à força não faço nada. Quase fiquei traumatizada com a natação. Felizmente um dia o tormento acabou. Numas férias decidi que aprenderia a nadar sozinha. E aprendi. Bruços. Depois mergulhos, com óculos. Depois o meu irmão deu-me umas noções de crawl. Um dia fui para a natação com o meu pai. Depois com a Di e com a Raqui. Tínhamos treze anos. (Nunca me vou esquecer de como eu e a Di nos deliciávamos a encher toucas com água gelada e a atirá-las para dentro do duche onde a Raqui tomava banho... os gritos dela deviam ouvir-se em todo o edifício...)

O cheiro do cloro ficou-me para sempre na memória. As imagens do cloro. Nos tais dias terríveis da piscina com a escola primária, a minha mãe enviava-me um pão de leite (daqueles que têm uma tira de doce de ovos por cima) com manteiga, para comer depois da aula. Acabada a tortura, aquele pão afagava-me o coração, mais que o estômago.
Ainda hoje, se acontecer de comer um pão de leite com manteiga, parece que sabe a cloro.

11 comentários:

andie disse...

Eu sinto exactamente o contrário, mas em relação ao Ballet, onde nunca andei.
E tb resolvi aprender sozinha, assim como a nadar...
Jinho grande de chocolate, para tirar o gosto do cloro!

Li*Azevedo disse...

eu sempre adorei a natação! andei dos 5 aos 15... e depois fui perdendo, só ia de vez em quando!
qd sinto o cheiro a cloro, sinto saudades dos tempos da natação! eu gostava muito dos meus professores!!

(parece que hoje estou do contra! lol!)

rita martins disse...

Isso acontece-me tantas vezes...
Há dois dias, ao abrir o frasco da cera depilatória, senti um cheiro bom, mas que me deixou esquisita por dentro. Tento lembrar-me de onde o conheço e porque me deixa assim, mas não consigo... Também te acontece?

Beijos, querida.

on satage disse...

A minha recordação mais antiga, que tenho desse género, era o aborrecimento (até raiva) que sentia por não me levarem a sério quando falava em pequena, só por ser criança!
Hoje em dia, algumas ideias mantêm-se, e quando falo delas, ouvem-me com atenção... só porque agora estou à porta dos 30!
Mas ainda me acontece algo, que me aborrece!
Os preconceitos em relação as roupas que uso!
Nem sempre me levam a sério porque uso maioritariamente roupas de montanhas/desportivas!
Para arranjar emprego então, já tive várias chatices!
É preciso começar a falar para perceberem que não sou nenhuma miúda inconsciente!

Isa disse...

olá
queria-te convidar para me vires visitar!!!

ate ja!

isa

Fernanda disse...

Aprendi a nadar, mas logo parei com as aulas. Muitos anos mais tarde (aos 14, 15 anos) voltei à natação e me recordei perfeitamente do cheiro daquelas manhãs frias da infância(não havia piscina aquecida na época).

Ah, o cheiro do cloro impregnado na memória dos dias de natação contrariada... Lembro bem.

nat disse...

Olá queridas todas... já tinha saudades. Estou com um problema qualquer no mail e não recebo as notificações dos vossos comentários! :((( Por isso vou passando por cá e vendo se há novos. Se me escapar algum, peço desculpa.

Ritinha, os únicos cheiros que me deixam esquisita assim, são os que me lembram "hospital", muito associados à tristeza de visitar pessoas doentes e à dor indescritível da penicilina...

Há um outro cheiro que nem sei de que é, mas que me transporta imediatamente para uma casa de bonecas que tive e que não era mais do que uma prateleira de pinho pintada de cor-de-rosa, pela minha mãe. Passei tanto tempo com a cara colada àquela prateleira, que o cheiro da tinta-bonecas-sei-lá me ficou para sempre, mesmo não sabendo descrevê-lo. Só o sei quando o cheiro. Incrível, não é?... :D

Muitos beijinhos para todas

Reclame disse...

Olá...agora já há um sitio para poderem reclamar e desabafar à vontade,passem por lá!

www.lvrreclamacoes.blogspot.com

Inté

Ísis disse...

oii...não sei como explicar, essas memórias de infância, mas eu tenho dezenas delas, até do consultório médico onde ia tenho o cheiro guardado dentro de mim...e qto à psicina :) bem ainda costumo ir...de vez em qdo

Bjinhos
Ísis

mushi* disse...

A relação cheiros/sabor é muito gira, tenho uma que ainda há pouco tempo senti:
quando sinto o cheiro de gasolina em garagens, sabe-me a mel :)

Quando éramos miúdos, o meu avô levava-nos à garagem dele onde tinha sempre 3 frascos de mel. E provávamos sempre :) era delicioso.
cheiros/sabor/memórias..

Beijinhos :)

Sofia Quintela disse...

... lol... acontece-me tanto isso...
gosto tanto de te ler... sempre...