24 de abril de 2013

20 semanas

Estar grávida longe da minha família e dos meus melhores amigos é dar muito, mas muito mais valor ao meu companheiro de vida, que já era minha família antes de sermos três, que é o meu melhor amigo e que me dá a mão nos momentos bons, nos momentos maus, e quando menos se esperaria que me desse a mão também.
Este bebé que ainda pouco se faz notar no que respeita a pontapés, faz-me crescer a barriga todos os dias um pouco mais, faz-me pensar duas, três, quatro vezes antes de pôr alguma coisa na boca, estica e muda a cor da minha pele. Atrai para mim muitas atenções e muito carinho por parte dos colegas de trabalho, que exageram ao ponto de me fazerem chorar de tanto rir. Este bebé ainda não ouviu música clássica mas todos os dias é embalado pelas minhas gargalhadas. Não sei como um dia vou agradecer a estas pessoas pelo que fazem por mim. Sem se darem conta, consolam o meu coração de emigrante, o meu corpo grávido e a minha cria de quatro meses e meio.

5 comentários:

Anónimo disse...

Que Nat :)Beijinhos

Paula, mãe do Martim

Edien disse...

Fico feliz em ver que se sente bem e que tudo está a correr igualmente bem :)
Esse bebé é um afortunado :) Mil beijinhos.

pontos disse...

<3

Dulce disse...

Beijinhos! Fico sempre feliz de saber de ti! Um dia quero conhecer-te ao vivo.

rita disse...

Ó Nat, posso dizer que eu acho que vais ser a melhor mãe do mundo a seguir à minha?