28 de março de 2009

dos plágios

A propósito do post anterior e do que acabo de ler no blog da Rosa:

O que sinto vontade de escrever aqui inclui palavrões e insultos vários a todos aqueles que, de ânimo leve, se passeiam pela internet em busca de imagens engraçadas para copiar e manipular descaradamente. Pouco me importa se é sem má intenção que o fazem, se estão desempregados e apenas fazem artesanatozinho para vender às amigas, se não imaginavam que o que fizeram é crime, se lhes doía o dedo no momento em que deveriam ter teclado meia dúzia de palavras de referência ao autor/título/site/etc da obra original.

Nojo.

3 comentários:

Costinhas disse...

Concordo. Nem há nada mais a dizer.

Um beijo

hpinto disse...

Muito mau... já tivemos oportunidade de falar sobre este assunto e sabes a minha opinião.
Só pessoas com muita falta de criatividade e de formação recorrem à cópia para "vencer" na vida - seja em que dimensão for.
Também não consigo ainda lidar bem com este tema (apesar de pensar que comigo isto ainda nunca se passou - tirando uma ou outra situação "menores").

Quanto ao caso da Rosa, deste não sabia. No entanto estou a par do que se passou cá em Portugal com cópias dos desenhos dela e sou uma das pessoas que está a apoiá-la no processo contra a empresa que a copiou, dentro do que me é possível.

Continuo a dizer "não à cópia"!

LU disse...

é mesmo... nojo!
Uma pessoa ligada à escola do meu filho me emprestou um livro e recomendou que eu tirasse fotocópias das fichas; ela fez questão de referir DAS FICHAS, pois no próprio livro vinha a autorização para as fotocopiar, mais nada. Em cada página vinha a menção: 'fotocopiável'. E assim fiz. Lembrei do tempo da faculdade, do tanto de livros fotocopiados... e o pior: com a chegada da internet, lembrei de alguns professores me elogiando por não fazer "copy/past". Eu não estou me auto-elogiando, mas era uma 'boca' para quem, descaradamente, tinha um trabalho inteirinho copiado...