23 de junho de 2008

natureza fantástica: cogumelo que bloga

No meu aniversário permiti-me não fazer nada. Peguei no postal fofinho com dinheiro que a minha avó me ofereceu e fui à cabeleireira boa de Viana. Pontual. Eu. O que é que eu não faço para chegar a horas ao que quer que seja? Mesmo quando sei que vou esperar. Fui. Estava marcado para as duas, o meu corte de cabelo na super-cabeleireira-mas-com-ela-mesmo-e-não-com-uma-ajudante. Esperei um pouco. Como tinha duas pessoas à frente, lavaram-me o cabelo em cerca de vinte minutos. Não sem antes me ser dito que o meu cabelo estava seco e com pouco brilho (Quê? O meu cabelo oleoso? Quê, este cabelo farto e brilhante? Hum. Se a senhora o diz... eu cá não falo cabeleirês mas já sei que aí vem champô especial para cabelos fraquinhos e sequinhos coitadinhos e marcham mais uns três eurinhos, mas que se lixe, eu faço anos.). "E gosta desta cor com reflexo vermelho é?" (Até nem desgosto desse loiro escuro mas o importante é não avistar cabelos brancos...) - Hum hum... Eu de olho na pontualidade da cabeleireira-mor, eu e o meu mau feitio. Lá fui para a cadeira. Esperar. Quarenta minutos depois da hora marcada, o meu cabelo estava finalmente prestes a ficar fantástico. Mas em vez disso, o meu cabelo estava com um corte horrível, porque "a menina tem uma cara grande e com o cabelo assim volumoso fica tudo grande!" e também tenho cabelo demais e realmente "não havia ponta por onde se pegar neste meu cabelo e realmente este corte que lhe fizeram foi mesmo uma aventura e isto (a minha meia franja comprida, catada com desprezo por dois dedos como se estivesse imunda), o que é que isto está aqui a fazer??? Está a fazer feio!".
Ri-me. Acreditei que apesar daquela fúria contra o meu cabelo, ela era uma boa pessoa e nem todas as pessoas têm de ser simpáticas para serem boas. Pedi apenas um corte leve e que não precisasse de secador e escova para ficar bem. Fui interrompida para ouvir e engolir o que seria melhor para mim e para o meu cabelo. Pegou na navalha e começou a cortar a cortar a cortar, enquanto olhava para o que estava a ser feito à cliente da cadeira ao lado, e para a revista que ela estava a ler e, subtilmente foi tirando uns bons oito centímetros às pontas mais compridas do meu antigo penteado, como se eu não tivesse olhos na cara. Depois chamou uma menina amorosa para me secar o cabelo "esticadinho esticadinho coladinho à cabeça". E foi-se. Acabou assim o meu contacto com a super-cabeleireira.
E fico-me por aqui. O meu único pedido foi simplesmente ignorado. Paguei à menina amorosa e ainda olhei para a chefona e ainda disse adeus boa tarde obrigada mas ela nem olhou. Garantiu-me um resto de dia muito mal humorado. Clonei o humor dela. Um clone com cabeça de cogumelo, porque fui a casa molhar o cabelo e dar-lhe uma secadela para ver o que acontecia. E tal como previ, o cabelo ficou este capacete que está agora. Desde sexta-feira que evito espelhos. E quando me vejo só me saem insultos boca fora. Aliás, só me sai uma curta palavra de duas sílabas.
Não faz mal, é só cabelo. Não faz mal, cresce depressa. Mas pelo sim pelo não, amanhã vou a outro cabeleireiro.

Continua...

20 comentários:

hpinto disse...

Bah!!!
Por isso é que é bom ir sempre à mesma cabeleireira :o)
A minha tb é uma XPTO cá da zona (digo eu) mas já sabe que com o meu cabelinho de m***a (sorry ;o) não há muito a fazer. De vez em quando lá vem uma dose de massagens e ampolas especiais anti-queda (no Outono) e as habituais palavras do "a Helena anda muito stressada"... sim, que eu às vezes aparento ser a calma em pessoa mas não sou ;op
Mas quanto ao tratamento final ela já sabe como é: secar só um pouco com o secador sem direito a aparência de capacete (mesmo que eu quisesse não era possível :o) só em ocasiões especiais (festas, casamentos e baptizados - felizmente ando em maré de poucos) é que lá vem um pouco de espuma ou coisa que o valha.
Mas já me aconteceram algumas dessas de ficar com cortes que não me apetecia muito ter...

Boa sorte na ida à outra cabeleireira!
De qq maneira, se posso dar a minha opinião, tu és daquelas que fica bem de qq maneira!!!
Beijocas :o*

Sónia disse...

AHHHHHHHHHH, passei o teu aniversários!!!!

Parabéns SUPER atrasados!!!

Essa da cabeleireira........

Por isso eu gosta daquelas de bairro!!! Assim não inventam!!!!!

macati disse...

pois... eu ja descobri uma fantastica mas esta bem longe de ti e descobri por um mero acaso... em Rio Maior... super simpaticos (ela e marido) perguntam o que queres e se nao tiveres ideias eles aconselham e nao precisas de esticar esticadinho... basta secar e é assim k ele ficará nos outros dias... igual como eles fizeram! se nao esticam pago 9.90... com esticadinho ja é um pouco mais mas vale a pena... so o de os ver a trabalhar é lindo... uma amiga tinha queimado o cabelo por acidente numa lareira e era ver a silvia (a cabeleireira) a analisar o cabelo e o rosto dela e a tentar disfarçar as pontas queimadas... impressionate... sao sempre bem humorados!!! é lindo e adoro-os

Mónica disse...

Ahhhh... cabeleireiras!
Serviço mal-feito-bem-pago!
Quando encontramos uma que faz o que pedimos é de nunca mais termos ideis parvas de ir experimentar aquela-que-dizem-que-é-boa.
Levam os olhos da cara e se tivermos com sorte ainda nos passam uma cliente cheia de massa á frente.
Eu por cá continuo a deslocar-me á outra ponta da cidade para ir á que faz o que eu quero, mesmo tendo uma na porta ao lado da minha casa e outra logo em frente.
Cabeleireiras obedientes são anjos que cairam do céu...

hpinto disse...

Estou em choque!!!
Acabei de estragar um GRANDE SURPRESA mas tive uma GRANDE SURPRESA na mesma!!!
Estou stressada! Era suposto num 2º encontro uma pessoas já se sentir menos nervosa, não era?!!!
;op

bijus da Margarida disse...

também já me aconteceu, aliás já me aconteceu várias vezes, uma vez fui à cabeleireira e disse quero ficar mais ou menos assim(apontando para uma imagem na revista)porque desisti de explicar falando e com gestos, mesmo assim sai de lá com o cabelo tão curto que se viam as cicatrizes da cabeça, por pouco era máquina zero, mas já me aconteceu pagar um balurdio e ficar quase na mesma depois de lavado e também já me aconteceu ficar ainda pior e ficar muito pior. Agora depois de muito mudar de cabeleireira descobri uma que corta o meu cabelo(que é uma farta cabeleira grossa, que já de si tem alturas que parece um capacete) como gosto, portanto telefono sempre e marco com ela, para ter a certeza que não me calha outra das que trabalham lá no salão.

LU disse...

Ai, Nat... como eu já sofri com esse assunto! Até desenvolvi alergia à essa classe profissional. Já passei pelo mesmo que vc num cabeleireiro homem, que vc conhece, onde nós pagávamos a massagem na cadeira enquanto nos lavavam o cabelo com exclamações de horror a essa cabeleira-que-nunca-tinham-visto-nada-assim...
Tantas e tantas vezes que saí com cabeça de cotonete e via o olhar de dó do meu marido (ainda bem que ele não ria, ele tem amor à vida).
Agora gosto do atual, o Fernando; mas qualquer dia vou a Rio Maior conhecer o casal que a Macati descreveu!
Bj goldos adorável mushroom... hehehe
(Todos os cogumelos são comestíveis, nem que seja apenas uma vez...rsrss)

Sofia disse...

Agora que a Lena já estragou a surpresa que eu tinha para ela, posso dizer que: Natacha estás muito bem, embora tu não aches e os óculos novos são muitoooo giros e tb te ficam muito bem :)
Qt a mim, com a minha farta cabeleira encaracolada, tb não me restam alternativas qd vou à cabeleireira: "É para lavar e cortar, escadear um pouco e tire o mínimo possível ao comprimento, sff", mas não adianta, cabeleireira que se preze corta sempre IMENSO e eu sim pareço um cogumelo com o cabelo curto!!

Célia Jordão Alves disse...

:-)))
Eu também passo a vida a reclamar das cabeleireiras. Tenho sempre a sensação que não entendem os meus pedidos. É por isso que há vários anos que não consigo fixar-me me nenhuma. Porque nunca fico satisfeita...

indiasun disse...

Bom...tb tenho esse problema.Por cá nunca sei onde cortar o cabelo.Apanhei o hábito de o cortar em Trás-os-Montes,mas fica-me um pouco fora de mão (já que moro em Sintra),porque encontrei uma cabeleireira com quem se pode falar,que corta barato e não leva a mais pelo brushing.
Mas fiquei curiosa...não queres mostrar?;)

Li*Azevedo disse...

ah pois é... por isso eu vou à minha cabeleireira desde os 9 anos! confio plenamente nela, já conhece bem o meu cabelo e sabe que sou super-hiper "alérgica" à laca =)

mostra lá o teu capacete ;)
***

macati disse...

ah, e eles sao pontuais e presenciei um mini-raspanete de brincadeira mas com toque sério a uma cliente por se ter atrasado...

Tereclopes disse...

Antes de mais, parabéns já atrasados. Em relação a cabeleireiras enm digo nada, nunca consegui que leas me façam o que eu imagino... o mal deve ser nosso com toda a certeza...

Hamleikah disse...

Melhor melhor...é ir ao cabeleireiro com alguém e enquanto se espera dar uma vista de olhos nas revistas...a ver como se corta o cabelo...
Chegas a casa e cortas!
Já não me lembro da última vez que fui ao cabeleireiro cortar o cabelo...corto eu! Para resmungar, resmungo comigo...ehheehhe
Para pintar...disfarçar as brancas...ofereço umas calças ou qualquer coisa à minha irmã e ela pinta... hehehehe
A única coisa que vou fazer ao cabeleireiro é arranjar os pés....porque tenho preguiça eu ficar toda retorcida... e não gosto de mexer nos pés...

1gota disse...

O que eu destesto cabeleireiras... Grrrrr!!!!

Boa sorte, que creça depressa o cabelo para desaparecer esse cogumelo!

:*

Oficinas RANHA disse...

Caneco! Pensava que a ideia que as cabeleireiras nunca me ouviam era só minha, devido à treta de cabelo fino e em pouca quantidade que tenho... Afinal, é genérico, algo que devem aprender no curso de cabeleireiras: «como ouvir o que a cliente pede e fazer exactamente o oposto»...
Tenho que voltar à minha cabeleireira antiga, com a qual me entendia...
Beijos!
Rita

Van Dog disse...

Uma semana e fica muito melhor...

hpinto disse...

Conta o resto da história, conta conta!
Aposto que vão gostar tanto de a ouvir como eu gostei ;o)
E se puderes mostra o antes e o depois :o) ou pelo menos o resultado final!
Beijocas grandes!
Adorei ver-te miúda!!!
Curto-te bué!!! ;op

sara aires disse...

Xiii! Parabéns Nat!!! Atrasados é certo... :s

Tenho mania da perseguição com cabeleireiras. Lembro com pavor uma infância de "cabelo-à-rapazinho-para-não-custar-a-pentear", ughh! Talvez por isso tenha o trauma do "cortar demais". Mas agora vou a um desses novos franchisados, não pela marca, mas porque tem uma moça que é uma querida e me faz a vontade sem rodeios. A conversa que ela parece achar indispensável é que me aborrece um bocadito... mas do mal o menos!
Coragem amiga, também sei o que é um penteado indesejado, mas passa rápido!
:)*

Istari disse...

eu também sou das pessoas q sofrem do sindrome do capacete, e, se ha coisa q me enerva são as cabeleireiras de lisboa, a quem se diz, quero um corte de cabelo simples de manter, e, não muito curto, e, ouve-se algo como: AH, mas a menina fica bem é com um corte jovem, e, acabamos por sair do local com vontade de chorar, enquanto se murmura: porquê?? porquê?? eu nunca fiz mal a ninguém? porque me torturou ela???

e foi então, que graças a Deus, descobri uma cabeleireira no Alentejo, que faz aquilo q eu peço, e, faz bem! a primeira coisa q faço, assim que chego à terra é: ver os avós e ligar à Lina a marcar hora! eheheheh
beijocas