28 de abril de 2009

das coisas boas

Quando nem pintar me sabe bem, até porque chove e eu aproveito qualquer pingo de chuva para me sentir deprimida (e deprimida o que eu quero mesmo é a minha cama e duas toneladas de chocolate), arrasto-me a muito custo para uma casa que não é a minha. Nem cama nem chocolate. Em vez disso, uma parede e horas e horas em pé. Quando nem pintar me sabe bem e o pincel pesa, esse sim, duas toneladas, apercebo-me da sorte que tenho. Porque podia ser pior. Podia ter um patrão de merda, ser desvalorizada e/ou explorada, ter de trabalhar em algo que odiasse, ter colegas intriguistas, stress, aturar clientes mal educados, engolir desaforos. Quando nem pintar me sabe bem, tenho os clientes como consolo. Os melhores do mundo - já o disse aqui mil e uma vezes, eu sei. Recebem-me não como a uma pintora que vai lá a casa trabalhar, mas como a uma visita. Com carinho e atenção e café e frigorífico e microondas-se-precisares. E aqui é a casa de banho e estás à vontade, estás à vontade! Se precisares telefona e já sabes, a máquina do café está aqui. Que bonito, Natacha. E os sorrisos. Agarro-me aos meus clientes, quando nem pintar me sabe bem. Alguns nem imaginam a diferença que fizeram na minha vida.

8 comentários:

macati disse...

e nem imaginas o impacto que causas com o teu belo trabalho mesmo qd não te sentes bem... gosto de ti...
bjnh abracinho e festinha na cabeça
manela

buebau disse...

E que bem que os teus cliente se devem sentir contigo, Natacha...
Espero que continues sempre a fazer o que gostas e para quem gostas.
bjs

andie disse...

E tu tb fazes a diferença na vida deles;)
Beijinhos!

mimiko disse...

Natacha, Natacha olha que levas duas palmadas!
Cabeça para cima, sorriso nos lábios e já agora peito para fora (fica sempre bem!)
ISTO É UMA ORDEM!!!!

on satage disse...

Que bom Natacha... fico feliz por ti... mesmo quando nem pintar te sabe bem!
Ter patrões frustados com a crise e que se aproveitam do desespero das pessoas, assustadas e deveras necessitadas, que se vergam à verdadeira escravidão para poderem ter acesso a bens de primeira necessidade é arrepiante!
Que bom que tens clientes que te devolvem sorrisos por fazeres aquilo que gostas!
Bem o mereces!!!!

Sofia disse...

Apesar de td tens mesmo muita sorte, pq eu no meu trabalho sinto-me um caco por ser desvalorizada,tenho um colega intriguista que vale por 100, ando stressada e aturo clientes mal educados, mas depois chego a casa, está lá a minha família e as pinturas da Natacha para me fazerem sentir bem.
beijocas

Marta disse...

E por certo assim vai continuar. Nós adoramos o teu trabalho e não nos cansamos de o repetir. É lindo ver a cara das pessoas quando veem pela 1ª vez o quarto do Diogo- adoram. E nós ficamos todos babados de orgulho.
Beijinhos e até qualquer dia

eusinha.na disse...

Falo por mim, mas acho q posso dizer tu tu tb fazes a diferença nas nossas vidas e nas nossas casas... As tuas pinturas fazem-nos sonhar e voltar a ser crianças... e é tão bom! Obrigada. Claudia